sexta-feira, 17 de maio de 2013

Aprovada a lei da coadopção por gente que gosta e quer assumir responsabilidades parentais junto dos filhos do seu parceiro...


... e que, por acaso, pertencem a um núcleo familiar constituído por casais do mesmo sexo. É disto que se trata: estender-se o vínculo de parentalidade de um dos elementos do casal (pai ou mãe biológica ou adoptante) ao cônjuge que ainda não o possui em relação à criança.
Ainda não foi aprovada a Lei da Adopção plena mas o caminho faz-se caminhado.
"Ah, é contra-natura!"
Contra-natura é viver sem amor, sem carinho, sem colo. Contra-natura é, numa infelicidade, o progenitor biológico morrer e o seu companheiro ser impedido de continuar as suas responsabilidades parentais porque a Lei não deixa. Contra-natura é impedir que duas pessoas adultas e conscientes adoptem uma criança, obrigando- a viver institucionalizada. Contra-natura é a homofobia.
"Ah, vão chamar Pai e Pai? Vão oferecer prenda a quem no dia da Mãe? Vão desenhar no desenho da família duas mulheres?"
Trabalhei com alunos internos na Casa Pia de Lisboa. Não me recordo de nenhum caso em que as crianças não preferissem ser amadas, incluídas numa família, pertencerem a uma dinâmica familiar ao invés de viverem num colégio, com diferentes figuras de referência, educadores sociais a educarem por turnos, monitores a trabalharem num clima de elevada rotatividade e amor aos retalhos, misturado com profissionalismo. Tudo o que crianças querem é chamar a si alguém que as ame, que cuide delas, que tome conta, que defenda, que dê colo. Independentemente das orientações sexuais, clube de futebol ou religião que tenham à partida.
Triste não é um desenho da família com dois pais do mesmo sexo. Triste é um desenho de uma família com uma criança dentro de uma casa/lar/colégio. Triste não é ser filho de x e x ou de y e y. Triste é ser orfão. Triste não é chamar pai ou mãe a duas pessoas. Triste é não ter ninguém a quem chamar.
Do que as crianças precisam é de amor. Tal como quando temos um filho a questão do seu sexo acaba por ser indiferente (quantas vezes ouvimos " o que interessa é que venha saudável!"),  na espera de pais, a orientação sexual caminhará para a mesma indiferença- o que interessa é que venham com muito amor e competências parentais. "Perfeitinhos"!

29 comentários:

MMP disse...

é isso mesmo!!

Papas disse...

Contra-natura é uma mãe e/ou um pai abandonar um filho e lá que os há e ninguém quer saber disso para nada...

Mamã Petra disse...

Nem mais.

disse...

E disseste tudo :)

Fada Sininho disse...

É de aplaudir! É um dia feliz para todos! Aos poucos se alcança a igualdade plena. Não há crise que afaste o orgulho que sinto por ser cidadã de um país que continua a avançar no caminho da igualdade!

S.o.l. disse...

É por estas e por outras que (apesar de te ler em silêncio e raramente comentar) posso hoje dizer que "adoro-te pá!"

Não diria mais, nem melhor, apenas que ando para aqui a conter-me para não responder a mentes mais pequenas que brincam com este assunto de uma forma que me revolta as entranhas.

Marta disse...

é assim mesmo, sem tirar nem pôr: "na espera de pais, a orientação sexual caminhará para a mesma indiferença- o que interessa é que venham com muito amor e competências parentais. "Perfeitinhos"!" Bravíssimo!

Solana disse...

Não podia concordar mais!
As crianças precisam é de amor!

Atena disse...

Até que enfim! Já não era sem tempo! Odeio quando digo que sou a favor da adopção por parte de casais homossexuais e vêem logo com meia dúzia de argumentos idiotas para cima de mim, só porque no fundo são pessoas cheias de preconceitos. O que interessa é ter uma família e ponto final! Ter duas mães? Não vejo realmente onde está o problema...

kiss me disse...

Ah ganda texto!

Timido disse...

Ora...
Se as crianças forem amadas e acarinhadas, qual é o problema se terem 2 pais/mães em vez de um pai e uma mãe?
Conheço alguns casos de crianças adoptadas, institucionalizadas e afins que apenas queriam um carinho... Que ficavam felizes quando nós nos lembravamos de lhes fazer um agrado que para nós era pouco mais que nada...
É preferivel mante-los assim, sem o menos carinho, o menor amor?

Este é um passo que já devia ter sido dado há muitos anos... Mas vamos no bom caminho...

ffiffas disse...

é que o maior argumento que quem é contra utiliza, parece não ter em conta precisamente o facto de que a escolha não é entre ter um pai e uma mãe ou ter dois pais/mães... é entre ter dois pais/mães ou não ter ninguém!

E mais, como se não fosse contranatura uma criança ser abusada, negligenciada e maltratada

Unforgotten disse...

Está dito!

mjoaob disse...

mainada
:)

Bruna @ FloralToday disse...

Concordo em tudo, tudinho, perfeito. :D

M.R disse...

Não podia concordar mais^!

Coquinhas disse...

Oh yeah, mesmo isso :) As pessoas dão muita importância ao que realmente, pouco ou nada importa :S E que o caminho continue a ser percorrido que será bom para esses pais e, essencialmente, para essas crianças/jovens que precisam de uma família

Maria Ninguém disse...

Há pouco bom-senso na sociedade portuguesa e muitas posições pré-formadas, só assim se explica a dificuldade que as pessoas tem em perceber todos os benefícios de um casal homossexual adoptar.

dumb i sound disse...

É nestes momentos que nos apercebemos que, apesar de devagarinho, o nosso país ainda vai andando para a frente. Não digo isso porque a Co-Adopção foi aprovada, mas porque vejo casais Heterossexuais a zelar e a lutar pelo direito dos homossexuais.

Pessoas como a Ursa, que têm uma familia dita 'normal' mas que não hesitam e correm a defender os direitos de uma suposta minoria.

Mesmo que ainda falta algum tempo para a adopção plena seguir para a frente, sabemos que nós, os gays, não estamos sozinhos nesta luta.

Obrigado!

paula disse...

Concordo plenamente!

Sara* disse...

Concordo plenamente com quase tudo o que diz... Um colega meu, que na altura tinha 14 anos e tinha acabado de ser formalmente adotado, disse-nos claramente que não gostaria de ser adotado por um casal gay. Portanto essa parte é subjetiva, não sabemos o que vai na cabeça de toda a gente!

Ana Ricardo disse...

Excelente! Adorei " o que interessa é que venha saudável!" quando se espera um filho e claro o que "interessa é que venham com muito amor" quando se espera um pai...ou dois!

Ana disse...

E o que opinas do post desta aberração?

http://corta-fitas.blogs.sapo.pt/5377429.html

Bem sei que as opinões são como o olho do cú, mas ele há gente que devia ser proibida de respirar!

Desculpa o desabafo!

Ana Luísa

Maria D Roque disse...

Contra natura é deixar crianças sofrerem injuatiças e perconceitos. Contra natura é roubarmos infância e felicidade. Contra natura é ser- se retrógrado ....

Roxy Girl disse...

Assim á partida o único contratempo que vejo na adopção por casais homossexuais, é a "coitada" da criança, no dia do Pai/Mãe ter de fazer/comprar duas prendas!

Ah! Espera! Eu durante anos fiz isso, não por ter pais homossexuais mas porque a vida foi muito generosa comigo e sou uma pessoa dita "normal".

Unknown disse...

Olha, Pólinha, eu nesta estou com a São João do Febre dos Fenos: "Porque a capacidade de educar uma criança não tem nada a ver com o que as pessoas gostam de lamber ou de enfiar no rabo."
Pronto

Nonas disse...

é tão simples isto fazer tanto sentido!

Cynthia disse...

Revolta-me sobremaneira q as pessoas não pensem todas assim. Fodam-se os homofóbicos. ODEIO.

ABCXZD disse...

Legislação da Parentalidade por Casais do Mesmo Sexo em Portugal

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...