quarta-feira, 24 de outubro de 2012

"O leite azedou" ou "Oh, não! Outro post de mamas!"

Prometi a mim mesma que não voltaria a falar do tema amamentação. Pari, comprei algumas latas de NAN1, agora NAN Confort e tenho vivido de forma natural a alimentação da Ana. A bebé, prematura e inicialmente demasiado pequenina para ter percentil, tem engordado a olhos vistos e está com o tamanho normal e suposto num bebé de 2 meses. Talvez por isso, ou porque quando tomo uma decisão sigo no caminho da minha opção e não fico a remoer as escolhas preteridas, nunca mais pensei no tema "amamentação natural". Até hoje. 

Cheguei a casa, depois do internamento da Ana e deparei-me com o seguinte comentário: "Vá, confesse lá que bateu a dúvida: "será por não ter amamentado?..." Mas não me queira mal, as melhoras da pequena."

E pronto, o leite que não pinga das minhas mamas azedou. Não gosto de seitas, nunca gostei. E de todas as seitas com que me tenho deparado a pior de todas, a meu ver, é a "seita da amamentação".
Deixem-me esclarecer-vos: não pertence à seita da amamentação toda e qualquer mulher que amamente. Sim, porque existem as mulheres que amamentam naturalmente e existem as mulheres que pertencem à "seita da amamentação". São grupos diferentes. 
A "seita da amamentação" é constituída por todas as mulheres que amamentam, têm orgulho em amamentar, raiva a quem não amamenta, tentam colonizar as mentes de todos os que pensam diferente delas no que concerne a esse tema e são mal formadas o suficiente para desejarem mal às putas, fúteis e más mães que, como eu, não querem amamentar. À "seita da amamentação" pertencem todas as mulheres que amamentam porque são boas, abnegadas, com espírito de sacrifício, sensíveis e almas caridosas mas que depois se revelam com comentários deste calibre. 

O que esta senhora queria, verdadeiramente, era que eu assumisse a culpa que ela acredita que eu deveria sentir. Acontece que quando decidi não amamentar sabia, de antemão, que a Ana iria, como todos os bebés, ficar doente. E resolvi muito bem, desde o início, o assunto na minha cabeça. Todos os bebés ficam doentes e a não amamentação natural não serviria de bode expiatório para me auto-flagelar face a essa hipótese das variadas doenças infantis, que agora se confirmou. A Ana vive num mundo com micróbios, bactérias e vírus e ficará doente mais vezes, estou certa. E cá estaremos para a ajudar a resolver cada constipação, cada varicela ou sarampo, cada surto de piolhos. 

O que esta senhora queria, verdadeiramente era fazer sentir-me culpada. Mas não me sinto. 
E se escrevo este post é porque acho nojento que alguém comente uma coisa deste género, à laia de pirraça, de "é bem feita, é bem feita, nha nha nha!". Porque o problema das seitas é a total falta de tolerância pelas pessoas que pensam diferente. E porque quando falei do tema falei-o na perspectiva duma opinião pessoal e não como pertença à "seita da não amamentação". 

A mesma seita que, caso existisse, poderia perguntar à senhora:

 "Olhou ao espelho e viu as maminhas descaídas e pinguças? Vá, confesse lá que bateu a dúvida: "será por ter amamentado?..." Mas não me queira mal, as melhoras dos figos passados."

"Não dorme há 1 ano porque amamenta e a responsabilidade de acordar de 3 em 3 horas tem que ser sua? Olha para o espelho e não reconhece o seu rosto cheio de olheiras e ar derreado? Vá, confesse lá que bateu a dúvida: "será por ter amamentado?..." Mas não me queira mal, as melhoras da cara de guaxinim."

" A sua filha tem rinite alérgica? Vá, como também sofre de rinite alérgica confesse lá que bateu a dúvida: "será por ter amamentado?..." Mas não me queira mal, as melhoras da menina"

"O seu filho é mal humorado e sem sentido de humor? Vá, confesse lá que bateu a dúvida: "será por ter amamentado e o leite ter saído azedo?..." Mas não me queira mal, as melhoras do menino"

Resposta, final, à senhora comentadora:

Daqui a uns tempos a Ana poderá cair e partir a cabeça... será por eu não a ter amamentado? 
Depois leva uma nega de um rapaz de quem gosta... será por eu não a ter amamentado?
Mais tarde tem negativa num teste de Física-Química... será por eu não a ter amamentado?
Um dia mais tarde, chega a ministra das Finanças... será por eu não a ter amamentado?

E... esta crise que vivemos? Será por eu não a ter amamentado?

97 comentários:

marta, a menina do blog disse...

Faz lembrar é aquela que a Maria de Vasconcelos inventou para o Markl, por causa daquela pequena obsessão que ele também tinha com mamas...

(esqueceste-te d' "A Ana apanhou piolhos na escola... será por eu não a ter amamentado?")

Ovelha Flor Guerreira disse...

Não te dês ao trabalho de respostas tão longas! Nem parece teu! Desliga e segue em frente!

sem-se-ver disse...

que exagero, pólo.

tem lá calma contigo...

:)

Maggie disse...

heheheheh mto bom adorei.
As minhas filhas ja vao com 6 anos e com 5 anos e tbém nao foram amamentadas.

Bjo
Maggie

Zariza disse...

Apesar de ter amamentado, e porque foi um processo natural e sem stresses nem complicaçoes, concordo em pleno com o que dizes. Nao suporto fundamentalismos e a tal seita da amamentaçao consegue sem duvida tirar-me do serio. desde o facto de eu "nao ter feito um esforço" porque usei mamilos de silicone ate ao ridiculo de defenderem amamentaçao a todo o custo... nem que tenham as mamas em carne viva.

Olha sao esses e os dos bancos privados de conservaçao das celulas estaminais...

Red Velvet disse...

Desprezo é o que deves dar em troca, nem vale a pena perder tempo com comentários tão parvos! Beijinhos e espero que a menina esteja melhor :)

Maria da Luz disse...

A maldade gratuita é muito estúpida, independentemente do tema.
Sobretudo quando se aproveitam momentos menos bons dos miúdos.

Pedro disse...

Clap, clap! Já devias ter posto essas lambisgóias todas no sítio há mais tempo.

Unknown disse...

Eu não fui amamentada pela minha mãe, não sei se foi por opção ou não mas não fui. Não me sinto e nunca me senti prejudicada por esse facto. Não sei se um dia irei amamentar ou não. Mas acho que essa escolha cabe a cada mãe. Não acho bem que a "seita da amamentação" venha com este tipo de comentários.

Devo dizer que a minha mãe teve cancro de mama, foi na década de 80 que o descobriram e nessa altura pouco se sabia sobre a doença. Lembro-me de terem contado mais tarde que uma das preocupações da minha família era se me poderia ter passado a doença através do leite materno. Na altura ficaram todos sossegados pois a minha mãe garantiu que nunca me tinha amamentado. Agora sabemos que o facto de amamentar uma criança não faz com que o cancro se transmita mas naquela altura de pouca informação tudo era posto em causa. Neste caso a não amamentação foi vista como uma coisa positiva.

A Sra. que escreveu o tal comentário devia se informar mais sobre o assunto, tentar ser um bocadinho mais culta para não tornar a fazer figura de ursa e voltar a escrever comentários tristes como esse. Não falta informação sobre o assunto na net, não custa nada ler. Perguntas como esta em outras épocas podiam se justificar mas em pleno seculo XXI só diz este tipo de parvoíce quem não se quer atualizar.
Enfim...

Beijinhos para ti Ursa e para a Ana espero que fique melhor depressa. =)

Sissi disse...

Que amamente quem quer lol Olha agora que tinhamos que andar todas aí de mama ao léu pft
Eu semi amamentei os meus, sim porque há quem tenha leite azedo,eu tenho leite magro e as criancinhas não engordam por isso lá gastei montes de dinheiro em latas de leite (para mim é a grande vantagem da amamentação, poupar dinheiro e vá lá algum trabalho a lavar biberons)
Ah e já agora a minha mãe amamentou-me 3 dias, será por isso que sou das pessoas mais saudáveis e resistentes que conheço?! fica a dúvida lol

AL disse...

Eu gosto de bons exemplos:
quem é amamentado evita problemas respiratórios, evita obesidade e doenças do sistema imunitário, já quem amamenta evita o cancro de mama....será por isso que o meu marido foi amamentado dois anos tem bronquite asmática desde bebé, é obeso e tem doenças auto-imunes?Já a minha sogra apenas tem uma mama...a outra foi levada pelo cancro...

Dois anos.

Eu amamentei 3 meses, entendi que podia fazê-lo e fi-lo enquanto tal foi razoável, a miúda não mamava e eu tirava com a bomba. Podia ter tentado mais? Podia.
Se penso na amigdalite, na infecção urinária e nas duas viroses em 5 meses? Penso, penso e logo "dispenso".

AnaD disse...

Não acho que esta resposta seja um exagero, esta mania que temos do "deixa tar, não vale a pena", claro que vale a pena ficar indignado com coisas que nos tocam.

Eu não sou mãe e essa seita sempre me indignou, e depois há a outra seita também bastante jeitosa, do "Pariste como te atreves a ainda seres mulher, agora és apenas e exclusivamente mãe"

Uma pena das crianças educadas no meio destas seitas

Nota: Sim tou de mau humor, e sim indigno-me!

Palmier Encoberto disse...

Eu amamentei um filho e não amamentei o outro. Agora bateu a dúvida... Será que só gosto de um deles? :DDD

rosa do deserto disse...

Muito bem Pólo!!! Adoro ler todos os posts... Sem rodeios, incisivos, pragmáticos e... sempre com muito humor :D

Limited Edition disse...

No livro da Tina Fey "Bossypants" há todo um capitulo dedicado à amamentação e suas seitas. Vale a pena ler! ;)

Mamã de Peep-Toe disse...

Que comentário tão estúpido...mas é isso mesmo que disseste.Existe essa seita sim.Eu amamentei como já te disse,durante quase 14 meses e adorei a experiência e não fiquei com as mamas pinguças ó ursa ;),pelo contrário(isso tbm é cá um mito difícil de existir).Mas amamentei porque quis!!Pelo tempo que a minha MªClara quis!!E cada um faz o que acha melhor,olha que porra!Há gente que é tão parvinha que até dá dó...agora a miúda dá uma bufa a mais,e a culpa é tua,porque não a amamentaste,já sabes!

Maria disse...

jesus!!! jÁ não comentava faz imenso tempo mas este foi só, bruutal. É assim mesmo ursa. Um beijinhos.

ps: A minha filha é lésbica, será que foi por ter amamentado?" ihih, sou tão ruim...

Mum's the boss disse...

clap clap clap!!!
eu tou cm a zariza e apoio-te!!!!

Bi disse...

Não devemos de facto dar tempo de antena a esta gentinha mesquinha. Mas de facto irrita meeeeeesmo! Os fundamentalismos deixam-me louca!!!

Agora, bola pra frente!

Um beijinho

Johnny Guitar disse...

Eu também não amamentei, deixa.

Claudia disse...

O meu filho tem 20 meses, fala tudo, conta até 10 e diz o aeiou... Segundo entendidos está demasiado desenvolvido para a idade... Será que foi por não ter sido amamentado? MEDO... A seita tem um radar?

Jonas disse...

O que está aqui em causa não é amamentar ou deixar de amamentar.

O que está aqui em causa é ser-se uma pessoa de boa índole ou não.

Quem deixa um comentário deste tipo, não é uma pessoa de boa índole. E não tem filhos. Se tivesse filhos, saberia que uma mãe não precisa de ajudas externas no capítulo das culpas.

Posto isto..... do not feed the trolls.

dizaine disse...

Eu amamentei 17 meses e fui amamentada 18! Ela mamou ate querer e só acordei a meio da noite ate aos 4 meses!não fiquei com mamas pinguças mas reconheço que há quem fique! Adorei a experiência e voltava a fazê-lo,assim como sou a favor do da interrupção voluntária da gravidez, e com isto não quer dizer que algum dia faça, mas acho que as pessoas têm o direito de escolher! Odeio fubdamentalismos! Dar ou não dar de mamar de opção, deve ser respeitada!

Menino De Sua Mãe disse...

Diabos, Pólo! Se a crise é culpa tua, vai lá dar de mamar á miuda, pá!!!

Paula disse...

Que comentário baixo.
Eu amamentei 3 filhos, incentivo as mães a amamentar mas os meus filhos também:
- cairam de cabeça no chão em bebé (2 vezes)
- partiram um braço (1 vez)
- teve de ser operada à garganta, adenoides e ouvidos(1 vez)

E eu também:
- fiquei com olheiras
- mamas caídas (depois recuperaram)

Amamentar é uma opção. Para quem quer e pode. Não é uma obrigação: engravidaste, então amamenta. Queiras ou não queiras.
vidademulheraos40.blogspot.com

Blog Profissão Mãe disse...

Lolo
E é isto :)
Tb amamentei e coiso e tal, n sei bem se estou ali entra a cena da seita e cena normal q.b sobre amamentação...mas concordo com o teu texto, já és crescida e sabes de ti...logo é uma decisão que apenas a ti cabe decidir.
Isso faz-me lembrar um livro que li escrito por uma Coelhinha da Playboy, em que fala sobre a gravidez e a seita de "está grávida?, Está linda!!!!" Ela desmistifica e por isso é fortemente criticada pelo povo da seita da maternidade linda, aquela que diz que grávidas estamos mais lindas (grande cú, sem conseguir calçar sapatos, mamas modelo extra-big)
Já me afastei do assunto...mas era para ilustrar que estás certa, és tu que decides.
Adorei o blog :) n conhecia...
bjinhos

Joana come a papa disse...

Qualquer uma das opções é válida. Se estamos felizes com a decisão não temos necessidade de a justificar. Amamentei 16 meses porque quis, gostei e estou feliz com o facto de o ter feito. Já não amamento há 4 meses porque as duas quisemos, também estou satisfeita com isso.

Dri disse...

gostei muito do que escreveste!eu sou mãe, amamentei o meu filho e agora amamento a minha filha mas nunca pus em causa as mães que decidem não amamentar ou por não poderem ou por não quererem. Como é óbvio o que acontece aos bébés ao nível da sua saúde não tem nada a ver com isso...mas a mentalidade portuguesa é para o que dá!
:)

Juanna disse...

Opá e eu que nunca mamei? Tenho 1,72m, peso 60 quilos, sou forte como um touro, raramente fico doente, pari 2 filhas hiper saudáveis, cozinho, limpo, arrumo, trabalho, faço disfarces de carnaval, halloween e natal todos os anos, aturo um marido lindo mas inerte para o mundo (vulgo, sou eu quem faz tudo em casa), faço 650km de carro a uma sexta com 2 crianças atrás e faço mais 650km a um domingo com 2 crianças atrás, reconstrui grande parte da minha casa com 100 anos com as minhas mãos, monto mecanismos de sanitas, esquentadores, fichas eléctricas, faço furos com o martelo do berbequim, penduro candeeiros tectos de cimento armado, mudo chãos de cozinha e faço 20.000 coisas mais. Por dia. Deve ser porque não mamei das tetas da minha cabritinha.

Ah, de acrescentar que as minhas filhas mamaram de mim durante 2 meses. A partir daí disse que já era suficiente e fechei a torneira. Nunca estão doente, salvos as constipações do inverno.

Porra, fundamentalmente irritam-me fundamentalistas.

S* disse...

Os radicalismos são sempre maus, para um lado ou para o outro. Comentários desses nem merecem ver a luz do dia. ;)

Full-time Mom disse...

Que comentário mais desagradável, é verdade. Mas sinceramente acho que a Pólo Norte se põe a jeito para isso... Para que é que faz tanto alarido de não amamentar? Parece-me que inclusivamente se orgulha disso.
Acho que li em qualquer lado aqui que não queria estar presa à sua bebé, nem ter dores nem mamilos gretados ou mamas descaídas. Já pensou que isso eram apenas possibilidades e que poderia até nem ter passado por nenhuma delas caso tivesse escolhido amamentar? E poderia ter adorado? Para ser sincera penso que terá um motivo de muita força, de saúde por exemplo, que não quis revelar e então resolveu dar estes motivos, como o da livre escolha também. Apesar de não concordar com a sua postura e de esta me desagradar não a condeno, pois acredito mesmo que a terá por motivos de saúde.
Felicidades e uma boa recuperação para a baby.

Sara disse...

Percebo perfeitamente a tua reactividade. Quando tive bebé e amamentei uns míseros 15 dias - em sofrimento, diga-se- também levei com esse filme. O que mais irrita é essa falsa condescendência e o facto de se acharem donas da verdade. É particularmente nojenta a doutrina, sobretudo quando a mulher está tão frágil, com as hormonas aos saltos e sem saber se está a fazer bem a coisa mais importante da sua vida. São de facto uma seita e acrescento mais, perigosa.

Morango Azul disse...

Concordo plenamente contigo.
Só pretendo amamentar nos primeiros 2 a 3 meses e não condeno quem nunca amamenta como não congratulo quem amamenta por 2 anos.
Cada um é que sabe.

Bolachas disse...

Infelizmente, também são os próprios profissionais de saúde a ajudarem à festa. Fazem as mães sentirem-se tão culpadas por não amamentarem (mesmo que seja por não conseguirem) que criam pequenos monstros. Eu não amamentei e, talvez seja muito irresponsável agora que penso nisso, mas nem uma vezinha que fosse me passou pela cabeça que a minha filha, quando fica doente, seja por eu não a ter amamentado. Ups.

Bruna disse...

Muito bom, Polo Norte, adorei o post!
As pessoas que pertencem as "seitas da amamentação" julgam-se melhores mães do que as outras (como eu) que tomaram a opção de não amamentar, e muitas das vezes não valem um cu...
SER MÃE, VAI MUITO ALÉM DE METER UMA MAMA NA BOCA DE UM FILHO!

Bjnhs ;)

Flow disse...

é mesmo isso, uma seita... :)

Sónia disse...

Tenho um filho de 4 anos e amamentei-o até aos 18 meses, agora tenho outro filho com um mês e estou a amamenta-lo…Para mim é um processo natural e sem stresses. Não suporto fundamentalismos nem as “opiniões de bancada” que não servem para nada. Como mães e como mulheres temos que nos sentir bem com as nossas decisões e estas tem que ser respeitadas.

Pintas disse...

Desculpa a linguagem mas sinceramente caga nessa merda. A diferença dessa personagem e tu é precisamente a mente resolvida ou não.

Solana disse...

Custa-me acreditar que existem mulheres assim! Mulheres que mesmo sendo mães e sabendo a dor que se sente ao ver sofrer um filho...ainda digam estas parvoices. Como é possivel? Eu fico parva com esta gente. Enfim...As melhoras da Ana, beijinhos Pólo.

Pólo Norte disse...

Full time Mom,

Pôr-me a jeito? Repare, escrevi UM post sobre o assunto e tive que lavar com a seita a criiticar-me: comentários nojentos, hate mail e tudo o que possa imaginar. Depois? Depois já se sabe, gozei o prato (como agora vou gozar, é aguardar pelo próximo post) como gozo com tudo o que acho absurdo como a Hello Kitty, o editorial do director da revista Happy ou a crónica idiota sobre as gordas da Mrgarida Rebelo Pinto.
Alarido? Alarido é falar numa escolha que se quer livre? Orgulho em não amamentar? Nada disso, senhora. Tal como não tenho orgulho em ser psicóloga ou ter votado em branco nas últimas eleições. São escolhas e escolhas assentes em convicções. O que eu defendo (e, sim, sinto orgulho em defendê-lo!) é livre escolha,o livre arbítrio.O que eu defendo (e, sim, sinto orgulho em defendê-lo!)são as mulheres que não amamentam por não quererem amamentar e que têm meio mundo a foder-lhes a cabeça.
Independentemente das razões, são as minhas e eu é que giro a minha vida e as minhas escolhas e consequências. Ninguém tem o direito de me querer fazer sentir culpada por isso. É isso que defendo. E, acredite, é isso que não permito.
Não falo nas razões nem nas possibilidades, falo mais uma vez ( e espero que última) na escolha de não querer correr o risco dessas possibilidades se confirmarem, boa?
E poderia ter adorado? Poderia, mas não quis conhecer essa realidade, pode ser? É um direito que me assiste?
Para ser sincera não faço redução da dissonância cognitiva face a este tema. E, correndo o risco de a desiludir, não se concretizaram quaisquer motivos de saúde que me pudessem impedir de amamentar: EU NÃO QUIS.
E acho triste imensas mulheres que conheço terem que mentir e invocar, precisamente, falsos problemas de saúde para deixarem de ser chagadas por não amamentarem.
Pode-me condenar à vontade (essa do condenar é gira! A quantos anos? Com pulseira electrónica? Prisão domicilária?), pode não gostar de mim, pode não concordar comigo. É um direito que lhe assiste. E eu sou a favor de direitos. Especialmente direitos que não interferem na liberdade dos outros.
Beijinhos

antesthelmaquelouise disse...

Pois caríssima, cá em casa somos 3:
eu amamentada até ao 1º mês; minha irmã amamentada até ao 7º mês, meu irmão amamentado até ao 4º dia de vida.

Resultado: eu fui uma criança chata, entre otites, amigdalites e diarreias constantes (as amigdalites continuam, de 6 em 6 meses, mesmo em idade adulta); a minha irmã durante os 1º 12 meses de vida fez 12 vezes antibiotico (1 por mês) e já não tinha nádegas de tanta penicilina que levou. O meu irmão por sua vez.. conheceu-se-lhe varicela e braços partidos!

E será este conhecimento empírico e comprovado que usarei no momento em que tiver q decidir o uso a dar aos meus peitinhos...

*

Whitesoul disse...

epaaaaaaaaaa e chatas que são!!! olha comigo a coisa deu-se ao contrário,eu até nem me importava de amamentar, mas sempre que chegava o puto à mama ele gritava esperneava e até ficava com ar enojado. juro!! até ficava com reflexo de vómito, agoniava-se mesmo.
Claro que posto isto (eu tinha leite, fui tirando com bomba e dava-lhe no biberão e o gajo bebia). Acho que ele sentia que estas duas que aqui tenho não lhe pertenciam lol.... pertenciam ao paizinho e ele não se queria apropriar delas. Isto para dizer que,no fundo, não amamentei (não directamente pelo menos) e tb fui acusada de não tentar o suficiente, pela tal seita de que aqui se fala. bardamerda pra elas tá?

Maria D Roque disse...

Tive duas bebés. Uma não amamentei porque não tive leite. Teve todas as doenças possíveis e imaginárias, inclusive meningite... quando era pequena estava invariavelmente doente. A outra amamentei até acabar o leite. Teve todas as doenças possíveis e imaginárias...quando era pequena estava sempre doente. Conclusão ??

Full-time Mom disse...

Nessa perspectiva, a sua filha também tinha direito ao leite materno, ou não?

Isabel Mendes disse...

Mamã Pólo Norte,
acho que a questão não é não amamentar... é, antes, dar mama demais a certas pessoas! :)

Beijo!

come_chocolates disse...

Venho sempre aqui e farto-me de rir.
Hoje tive de comentar.
Quando fui mãe também não amamentei.
A minha filha mais velha tem 21 anos.
Nem queira saber o que ouvi.
Desde:
- "Não sei como é que consegues, estás a perder a melhor parte".
- "não sabes que assim a bebé vai ficar doente?"
- "Não és tão boa mãe como eu, que até sangro dos mamilos mas ponho o meu filho ao peito" (juro)
Nunca percebi esta estupidez.
Os mamilos a SANGRAR, e ISSO era O melhor para o bebé?
Os mamilos cheios de feridas e crostas e ISSO era o melhor para o bebé?
Como?
Não tinham esses mamilos mais bactérias do que o meu biberão absolutamente esterilizado?
Eu sei que não precisa, mas digo-lhe, mande essa gente à merda, porque não sabem do que falam.
As minhas filhas cresceram muito bem.
São ambas altas, giras e inteligentes.
Tenho com elas uma relação muito boa.
Amo-as profundamente.
Elas contam-me as suas coisas. Pedem-me ajuda.
Ou ignoram-me conforme entendem e lhes apetece.
Não são as mamas que criam relações de amor entre as mães e os filhos. São outras coisas.
AH! outra coisa, o meu marido e eu, apesar de termos mais de 24 anos de vida em comum, adoramos estar na "brincadeira" (se é que me entende. As minha mamas são bastante apreciadas.
Maia não digo.
Um abraço para si e tenha paciência para com a estupidez.
Sei que adora a sua Ana.
Ela vai adorá-la de volta.
Quando ela for maior vai ser tão sua amiga.Vão rir-se tanto as duas.
Como eu e as minhas filhas, que até vamos de férias sem o pai, numa coisa "de mulheres".



Cynthia disse...

Full-time Mom,

isso é uma visão simplesmente ignorante, pensar que uma mãe q escolheu não amamentar é exclusivamente por motivos de saúde e q, como tal, inventa outros motivos. Sinceramente, acho piada. E além disso... O blog é da Pólo, ela até podia fazer um post todos os dias sobre o assunto, q não é por isso q as pessoas têm mais direito de lhe impingir as suas opiniões, certo?! Então agora tem q se calar sobre o assunto só pq há queridas q não gostam? E se ela quiser fazer alarido sobre isso? Está no seu direito. Da mesma forma q essa seita irritante da amamentação defende com unhas e dentes e as porcas odiosas q não dão peito não são verdadeiras mães. Ao menos a Pólo está a defender o direito de escolha!

Pólo, assino por baixo de tudo o q disseste. Eu dei mama ao meu filho até aos 2 meses, o leite tb era fraco e ele não pegou mais a partir dessa altura, mas tbm andava com os mamilos gretados, doía q se fartava e foi um alívio quando ele começou a beber só leite de lata. Pondero, sinceramente, no próximo q tiver, não dar mama. Eu mamei até 1 ano e sou asmática desde pequena, tenho um sistema imunitário completamente virado do avesso, estou sempre doente, com alergias, constipada, até no verão! Não me venham cá dizer q a mama previne as doenças, por favor.

Cynthia disse...

Full-time Mom

Mas porque é que a criança tem q ter "direito" ao leite materno? O leite em pó faz exactamente a mesma coisa, a diferença é q não vem logo quentinho nem é de borla.

Pólo Norte disse...

Full-time mom,

Sim, sim, e se a Ana quiser ter o direito de fumar aos 6 anos, não ir à escola primária porque está com preguiça ou não tomar as vacinas eu também a vou deixar exercer esse direito.

(Não acho a sua argumentação racional, desculpe. Até a Ana ter maturidade para fazer as suas escolhas com inteligência, sensatez e lucidez, ou até se tornar autónoma e independente, a questão dos direitos dela terá que passar, SEMPRE, pelos pais.)

(E não merece a pena discutirmos porque eu não mudarei a minha opinião quanto a este tema e creio que nem a Full-time Mom mudará a sua, pelo que, qualquer tentativa de colonização do ponto de vista da outra será uma mera perda de tempo e de energia).

Beijinhos

Anita Catita disse...

Gostei do post, acho uma óptima resposta a quem faz um comentário tão descabido como esse.
Eu amamentei a minha filha até ela querer (14 meses) mas sempre dormi bem, nunca tive problemas nenhuns nos mamilos e amamentar sempre foi um prazer e uma coisa natural. Sou a favor da amamentação mas acima de tudo sou a favor da livre vontade de cada mãe. Seja pelo motivo que for a decisão cabe aos pais da criança, não deve ser uma obrigação e sim um gosto. Também não fiquei com as mamocas descaídas e acredito que se consegui perder os meus 14kg em 4 meses foi em grande parte devido à amamentação. Mas lá está...foi a minha opção e cada pessoa tem a sua.

Eu pelo contrário fui bastante "criticada" por amamentar já que tinha que o fazer de 3 em 3 horas nos primeiros meses, pela minha sogra tinha enfiado com o biberão na boca da criança e o assunto ficava resolvido, no entanto a filha é minha e sou eu que decido (neste tema nem o pai se atreveu a meter o nariz LOL)

Comentários desses são totalmente escusados e de uma falta de chá do maior que pode haver.

Full-time Mom disse...

Ui, está a comparar a amamentação a actos nocivos como o de fumar? Não falamos de todo a mesma língua.

bee disse...

ursa, amamentei os meus dois filhos, até aos seis meses. o mais novo foi internado com 1,5 meses, com uma bronquiolite. infelizmente, o leite materno não os protege de todos os males do munto, embora gostasse muito que assim fosse...

Paula disse...

Ah ah ah "seita da amamentação", Muito bom! Há uns dias falei sobre isso com o meu marido. Eu amamento porque quero, sempre quis. Sempre que me pedem ajuda nesse sentido eu dou mas não "pico os miolos" a ninguém... Há uns meses uma amiga disse-me com um certo ar de culpa que não estava a amamentar (já devia ter ouvido muito e achou que ia ouvir de mim...) e eu perguntei-lhe apenas se estava feliz, se o bébé estava bem e se ela se sentia bem na pele de mãe de primeira viagem. O mais importante é que esteja bem. São tantas as dúvidas de uma mãe que acho indecente tentarem detá-las abaixo por não amamentarem. Por favor! Infelizmente existe uma falta de tolerância tal que é assustadora. Eu pergunto-me que crianças estão estas senhoras a formar. Tenho medo, muito medo!

Bailarina disse...

Nãoi resito a escrever isto: Deviamos era todas mamar mais, eramos todos bem mais felizes! Tou farta da seita das mamas! tudo de bom cabeça a arejada a sua

Pólo Norte disse...

Ful-time Mom,

Penso que terá percebido que os direitos da Ana sou eu e o pai que os gerem. O que quis reflectrir é que a Aana não gere os seus próprios direitos com 2 meses, nem com 6 anos ou 12.
E a Ana tem direito à alimentação, não se apoquente. À alimentação que eu lhe proporciona segundo os meus padrões do que é melhor para ela.
E, sim, a Ana também tem direito a uma mãe bem resolvida, que não faz coisas contrariada, que está feliz e confortável com as decisões que toma relativamente a ela e que está a viver a maternidade de uma forma plena e tranquila. A Ana tem direito a uma mãe com liberdade individual e é esse o legado que lhe vou transmitir. Não o legado do leite...

(E, sim, já percebemos ambas que não falamos a mesma linguagem. face a esta temática. Temo que nem eu nem a Full-Time Mom mudemos de opinião pelo facto de aqui a rebatermos...)

Carla Borges disse...

Teoricamente eu pertenco a seita da amamentacao. Sou enfermeira e durante muito tempo fiz, entre outras coisas, aconselhamento na area da amamentacao. Alem disso, sou mae de duas criancas, que amamentei durante quase 1 ano cada uma. Acredito nos beneficios da amamentacao e defendo-a. Dito isto, uma das primeiras perguntas que faco a cada mae e se quer amamentar. Quem amamenta, nao tenha duvidas que os bebes nao amamentados tambem crescem e sao amados, e que dar de mamar nao e equivalente a amar mais. No entanto quem nao amamenta, tambem deve estar consciente dos beneficios da amamentacao para fazer uma escolha consciente. Na amamentacao tambem se escolhe: mamas descaidas, dinheiro,sistema imunitario, dormir mais a noite, partilha com o pai,etc. Nao se pode e ter tudo...
Os bebes amamentados tambem ficam doentes...e verdade, mas quem nao fuma tambem pode ter cancro do pulmao...

Jonas disse...

Pólo, não percebeste a fool time mom.

A tua decisão de não amamentar é legítima, desde que mantenhas a bolinha baixa, e coloques um ar de envergonhada resignação quando dizes que não amamentaste. De preferência, inventa aí um problema qualquer de saúde que ajude as pessoas aterem mais facilidade em perdoar-te.

Já viste a audácia e a ousadia de dizeres que não amamentaste porque não quiseste? Claro que é mesmo pores-te a jeito.

Toma as tuas decisões, mas não faças alarido delas, porque isso colide com o equilíbrio de todos os outros.

Faz até um post em tom confessional, agora, dizendo que tens dúvidas, e que achas que até terias gostado de passar pela experiência.

Faz um mea culpa e bate com as mãos no peito, grita, berra, exterioriza, sempre que a tua filha esfolar um joelho, ou partir um braço, ou tiver uma bronquilite, ou uma constipação, ou levar com uma pedrada na cabeça.

Diz que foi o mamen que te obrigou, e que és vítima de chantagem psicológica.

Não digas que decidiste assim, livremente, porque isso cai mal.

Liberdade de escolha sim, mas envergonhada, como se quer a uma mulher de recato.

Não percebes nada.

Mana Mais Velha disse...

Eina, que confusão que aqui vai. O que eu acho, cara Pólo Norte, é que sendo psicóloga, ainda não avaliou bem a sua necessidade absoluta de validação externa em tudo o que faz. Porque o meu comentário foi apenas isso: um comentário, num blog público, de alguém que escolheu de livre vontade expor grande parte da sua vida na internet e ao escrutínio de estranhos. O problema é que, sempre que alguém não tem uma opinião parecida com a sua, a Pólo, ao invés de aceitar que existem formas de pensar diferentes da sua, vai abrir "guerra" e lançar de artilharia pesada para quem tem a "ousadia"(!) de opinar sobre algo que, afinal de contas, já se tornou público por sua opção própria. Quando li que a Ana estava no hospital pensei automaticamente na questão da amamentação, sim, porque perto de mim aconteceu algo parecido: dois primos bebés adoeceram juntos, e apenas o que não foi amamentado precisou de assistência médica. Tão simples quanto isto. E porque continuo a achar que a "escolha" de não amamentar é egoísta, comentei. E comentei exactamente porque isto é um blog lido por muitos, e porque nesse sentido já se pode considerar como uma base para reflexão que pode chegar a um grande numero de pessoas. Não pretendi em momento algum insinuar que era "bem feito" que a Ana estivesse doente para provar o meu ponto de vista, porque não desejo mal a ninguém e muito menos a um bébé. Para ela, o que quero é que fique bem rapidamente e sem nenhum tipo de sequela. A única explicação que encontro para a dimensão dos dislates que por aqui vão a propósito do meu comentário, são que a Pólo precisa do reconhecimento e do apoio dos seus seguidores como de pão para a boca. Caso contrário, eu falava e a caravana seguia sem sequer ouvir.

disse...

Eu só quero dizer que foi refrescante ler o texto que escreveu. O meu filho tem 5 meses e por vários motivos a amamentacao nao funcionou. É agora um rapazote grande, curioso, traquinas e saudavel. Aqui na Alemanha a "seita da amamentacao" é algo real e às vezes assustador. Os comentários que já ouvi sao de fazer sentir mal ... claro que nenhuma mae quer o mal do seu filho e quem ataca com comentarios desses é um bocado triste. Quando aos 4 meses decidi comecar com solidos aí sim foi um drama porque a "comunidade internacional" diz que se deve exclusivamente amamentar ate aos 6 meses. Cada mae conhece o seu filho mas Há mesmo gente que n sabe o que fazer e que por isso seguem tudo o que diz num livro. Só lhes desejo sorte ...
Desejo-lhe tudo de bom *

marta disse...

FUCK!!!!!!!!!!!!

Full Time Mom, baza! Já chega! Cala-te!

Arre porra

=/

Paula disse...

Gostava de acrescentar um comentário a este assunto. A minha cunhada tinha decidido amamentar da sua primeira gravidez. A bebé nasceu perto do Natal e ela toca de amamentar. Com o fim de semana + natal + véspera, ficou sem poder ir a um pediatra durante quase uma semana. A bebé chorava muito. Quando terminou o Natal e conseguiu ver a cara do pediatra, tinha perdido 20% do peso do nascimento !! 20%! O aceitável é 10%! Conclusão a amamentação não estava a resultar, a mãe de primeira viagem não conseguiu perceber e a criança passou FOME! O pediatra pós logo a criança a suplemento o que a levou a largar a mama.
Só mais um caso que ilustra que a amamentação, nem sempre, é a melhor opção. Há que pensar e decidir o que nos serve melhor.
vidademulheraos40.blogspot.com

Maria João disse...

Mas que raio de texto mais bem escrito pah!!! Ui, não deveria dizer pah.Nem raio. Será que o disse por não ter sido amamentada e por ter amamentado pouco tempo????

Maria João disse...

Full-time Mom sabes que gosto muito de ti, mas em relação a este tema não acho os teus argumentos nada válidos querida! São válidos para ti que tens uma opinião muito formada e não digo que esteja incorrecta. Mas acho que tens dificuldade em aceitar e compreender que há escolhas diferentes em relação à amamentação e nem por isso são piores escolhas do que as que fizeste. Nem por isso as mães que escolhem não amamentar gostam menos dos filhos ou querem menos bem aos filhos. Senão as mães aqui da Irlanda não gostam nem um bocadinho dos filhos delas, pois a grande maioria não amamenta!

Proud Mommy disse...

Olá, nunca tinha lido o seu blog, mas vi através do FB de uma amiga e deparei-me com uma guerra aberta sobre amamentação e não pude ficar indiferente.
Percebo-a perfeitamente. Estou à espera do meu terceiro filho. Eu considero-me uma mulher que amamenta naturalmente,isto é, o leite sobe e jorra do meu peito sem nunca ter sentido dor. Depois de ter amamentado os meus dois filhos e com muito ginásio o meu peito é igual ao que era quando tinha 20 anos. Os múidos aumentaram sempre bem de peso e de noite aguentavam-se 8 horas a dormir sem precisar de mamar durante a noite. Sim, eu sou assim. Infelizmente vi amigas minhas e a minha irmã sofrerem muito com o peito gretado, a sangrar por mais lanoina ou gretalvite que lhe pusessem. Se acho que se deviam ter martirizado para amamentar os filhos? Claro que não! Se se quisessem ter martirizado era com elas, mas impôr-lhe algo ou colocar-lhe em cima o peso da doença dos filhos por não terem amamentado seria no mínimo bárbaro da minha parte e eu considero-me uma pessoa civilizada. Posso dizer-lhe que o meu filho mais velho mamou até aos 12 meses (em exclusivo até aos 6) e está neste momento com uma infecção pulmonar. O irmão mamou até aos 8 meses e é saudável que nem um pêro. Deixe-me dizer que é desumano atirar as culpas das enfermidades de uma criança que nasceu prematura para cima da mãe. Sei o que é viver com o coração nas mãos com um prematuro que nasceu às 28 semanas. Será que quem lhe disse tais coisas consegue perceber o stress que uma mãe numa situação dessas passa. E se essa senhora se acha tão esclarecida, será que sabe que as mães de prematuros têm muitas vezes que tirar o leite com a bomba, pois muitos não têm força para mamar, e que o simples facto de retirar o leite com a bomba estimula menos a produção de leite? Não se rale. Há mil e uma teorias para se ser uma boa mãe, mas só você sabe o que é melhor para a sua menina, por você é que é a mãe e o resto é conversa. Muita saúde para a sua filha e muitas felicidades.

Isabel disse...

Hoje tinha que comentar!!!
Acho que, de facto vivemos num mundinho (vulgo país, que no fundo é uma aldeia) onde as pessoas com opinião nem sempre são bem vistas ou entendidas!
O que está aqui em causa não estaria se tu Polo Norte tivesses sido uma mártir de mamas gretas e purolentas, que gritava enquanto amamentava, pelo simples facto de que tinhas tentado. Aí já não irias ser culpada de todos os males que vêm ao mundo, porque tinhas tentado, mm que n tivesses conseguido...
Oh triste mundo que não respeita as escolhas dos outros!!! Mas por que raiso tem cada um que se justitificar perante o mundo se as escolhas que faz são CONSCIENTES, e sublinho conscientes. Certamente pesaste todos os ´prós e contras e fizeste uma opção! Então resta aos outros (comuns mortais!) aceitá-la! Até porque, imaginem, não lhes diz respeito!loool

Devo acrescentar que tb eu sou mãe e amamentei 9m, porque quis, sim, porque foi, na altura a minha opção!!

Mana Mais Velha disse...

Bom, a não aprovação do meu último comentário só mostra como é verdade tudo aquilo que expressei nele. Cumprimentos, com os mais genuinos desejos de que um dia possa ver os seus fantasmas internos apaziguados, e seja capaz de viver em paz com as suas convicções, mesmo sabendo que nem todos concordarão consigo, como sempre na vida.

Pedro disse...

Ainda não as mandaste pá puta que as amamentaram? Estás a perder qualidades, Pólinho! :P

girl in motion disse...

acho um bocado exagerado. há realmente muitos estudos por aí, e deves tê-los visto com certeza antes de tomares essa decisão, que mostram que as crianças não amamentadas têm mais défices e mais riscos que as crianças amamentadas, NO GERAL. acho que toda a gente sabe isso, e acho que o comentário fruto do reacender desta discussão incidia sobre isto. sobre probabilidades, sobre estatística. é mais provável uma criança ter uma infecção se não foi amamentada. acho que ninguém te queria chamar má mãe. simplesmente nem toda a gente consegue compreender a tua escolha de não amamentar, porque não parece uma coisa natural. e tu não devias ficar irritada com isso porque tens de compreender esta perspectiva. a perspectiva de que NO GERAL as crianças não amamentadas têm mais problemas, e que por isso NO GERAL as mães optem por amamentar. nada disto significa que a Ana está a ser negligenciada, nem nada disso. cada caso é um caso, e claro que com todos os cuidados que lhe dás ela será mais saudável que muitas crianças amamentadas. mas não concordo que te irrites assim com pessoas que pensam pela corrente de há milhares de anos, quando esta corrente também tem vantagens.

marta disse...

FUCK!!! Se calhar deviamos todas esmiuçar só mais um bocadinho k ainda não foi suficiente....???

Em todos os temas há os "pró" e os "contra", é certo. Mas tb é certo que cada um sabe de si e não devemos julgar ninguém! As escolhas feitas conscientemente só à pessoa que as fez (e a quem a pessoa entender aconselhar-se e conversar sobre o caso)diz respeito! Não se metam +...

Oh God...

Xuxi disse...

Ó Pedro prá putas que as amamentaram é para lá de genial!!
Dito isto, minhas queridas fanáticas pró-leite e vaquinhas Mimosas, deixem viver as pessoas com as suas opiniões e párem de tentar julgar as opções dos outros!!! Dito e redito aqui: as vossas opiniões valem tanto como os cagalhões que vocês desprendem do cú!
Vocês não têm nada a ver com a vida da Ursa nem com as opções pessoais dela e escusam de tentar meter o nariz do cú dos outros, quando as vossas cuecas devem tar todas cagadas!!!
Pólo Rocks!!! Seitas só a da Quadripolaridades!!
ps- o meu cão só tem um testículo e não foi o Renato Seabra, é porque a Polo No0rte não amamentou!!

Pólo Norte disse...

Mana mais velha,

A minha auto-análise é feita todos os dias. Nada a temer quanto a isso!

Necessidade de validação externa? Claro que tenho, todos temos. Especialmente de pessoas que credibilizamos como as nossas mães, parceiros, amigos próximos. Claro que gosto de saber a opinião deles quando tomo uma decisão mas, vai na volta, e sou mesmo casmurra e tomo sempre decisões pela minha cabeça.

Parece-me tonto dizer-me que preciso de validação externa, palmadinhas nas costas ou whatever. Se assim fosse vinha para aqui dar a posta de pescada que resultaria numa ovação colectiva, afinal, a norma vigente é de que amamentar é que está certo.

O seu comentário foi de maldade, de malícia e de provocação. E assim foi interpretado por mim e por todas as pessoas que comentaram este post e que assim o consideraram também. O tom condescendente tipo "vá, menina, dá a mão à palmatória, penitencia-te, sff" do "vá, confesse lá..." assim o demonstra.

Foi feio e, digo-lhe mais, mau. E se o seu comentário foi livre e devidamente publicado, a minha resposta ao seu comentário não o podia deixar de ser (e olhe que eu até nem respondo a comentários que acho tonto dar bitaites de opiniões sobre as minhas opiniões...).

Repare que eu não critico, em lado nenhum do meu blog, quem amamenta. Repare que eu assume n vezes que é a situação ideal mas uma situação que a mim não me cabe. Acontece é que quem aqui não respeita opiniões diferentes são as pessoas que me vêem chatear porque eu tive o desplante de escolher não amamentar.
Abrir guerra? Nada disso. Ironizar= Sempre.
Quando leu que a Ana estava no hospital pensou automaticamente na questão da amamentação. Acredita que em dezenas de comentários e e-mails que recebi foi a única a tentar lançar uma relação de causa-efeito entre a constipação da Ana e a não amamentação? Já reparou que o tom do seu comentário não foi "Ó Pólo, será que a não amamentação contribuiu para isso?" mas sim um "Vá, confesse lá que sentiu culpa?"
A única explicação que encontro aqui para o teor do seu comentário é maldade gratuita, pirracinha e mesquinhez.
E se lhe respondi é porque conheço n mães que escolhem não amamentar e mentem, inventando doenças e inpossibilidades falsas, para não terem que levar com o julgamento de quem as acha egoístas e as "condena". Eu, por acaso, estou-me putativamente borrifando para o facto de me acharem fútil ou egoísta. Eu por acaso rejo-me pela minha cabeça e sou pouco permeável À opinião de estranhos com visões curtas e que não respeitem a capacidade de escolha dos outros. Mas se lhe respondi é porque há mães como eu e quero que saibam que acredito que não são elas que estão erradas, ainda que a seita lhes teime em apontar uma maternidade pior...

isa disse...

lol Gostei! Isto parece a seita dos "não amamentadores anónimos"! Eu e os meus irmãos nunca fomos amamentados e temos uma saúde de ferro! Eu amamento o meu filho e ele já esteve doente! Cada um é livre de fazer o que quiser, estes fanatismos é que são desnecessários. Parabéns pelo blog, pela frontalidade e pela bébé. Isabel (seguidora recente do blog)

Carol disse...

Não querendo entrar numa discussão que penso ter sido iniciada por razões menos correctas, porque mesmo que a culpa fosse de a mãe não ter amamentado a filha, isso nunca se atira à cara de nenhuma mãe. Não adianta de nada, não traz nada de novo, não altera em nada o facto de a Ana ter ficado doente. É maldade, tal como foi referido.

Outra coisa é ignorar os benefícios que a amamentação traz. Porque traz e está mais que provado. O que não quer dizer que uma criança que não seja alimentado com leite materno tenha que ser mais doente, menos esperto, ou mais ou menos qualquer coisa. Uma coisa não invalida a outra. E se cada biberão for dado com o mesmo amor que seria o leite materno, os laços entre mãe e filho nunca serão diferentes.

Penso que é importante não misturar as coisas. E não minimizar quem opta por não dar de mamar, mas também não menosprezar quem o faz e está convicto que os beneficios existem, porque existem.

No fim de contas, o importante é que a Ana voltou com saúde para casa e que de todas as vezes que vier a ficar doente, tenha a mãe e o pai, porque já se percebeu que vai ter e ainda só assim tudo faz sentido.

Haja respeito pelas opiniões divergentes!

Pólo Norte disse...

Ah, e se não aprovei o seu comentário logo (nem os outros todos, imagine-se...) foi porque estive a reduzir a minha culpa como mãe negligente e fui com a Ana à pediatra para reavaliar a situação. ;)

Resta uma dúvida: se não se sentiu mal pelo teor do comentário e se ele era, de facto, tão ingénuo porquê vir-se aqui justificar? E porque, ainda no próprio comentário, ter acrescentado, "não me leve a mal"? ;)

Mana Mais Velha disse...

Resposta à sua dúvida: porque a Pólo para além de ter ficado extremamente perturbada com ele, ainda me deu uma resposta com dimensão de post. E porque também, depois de ter sido infinitamente chamada de puta, mesquinha, e tudo o mais, pela sua seita de id's, vulgo leitores quadripolares, achei que devia mais algumas palavrinhas à conversa.

Pólo Norte disse...

E porque, ainda no próprio comentário, ter acrescentado, "não me leve a mal"?

(Você sabe que o tom foi maldoso. Não foi o Mundo inteiro que se uniu para a tramar... ;) )

Mana Mais Velha disse...

Foi feito com uma dose de provocação, sim, mas eu também sabia que essa provocação podia ser lida de forma abusiva. Queria evitar a 2ª parte, mas pelos vistos não consegui. C'est la vie, I rest my case. As décadas de investigação na área da nutrição infantil e as suas conclusões estarão ao alcance de quem estiver curioso. Optar por não amamentar por dificuldades fisiológicas ou psicológicas? Absolutamente de acordo. Optar por não amamentar sem saber se essas dificuldades se fariam de facto sentir? Egoísmo. E se me dou ao trabalho de continuar aqui a escrever já não é por si nem por aquilo que faz com a sua vida, mas pelo número de leitores a que actualmente já chega, e que muito provavelmente já levam em conta a sua opinião no acto de decidir.

Inês M disse...

Polo Norte,
acho que o teor do post revela maior falta de tolerância (e de poder de encaixe) do que o comentário que lhe deu origem. O mesmo pergunta-lhe se chegou a equacionar a possibilidade de poder ter prevenido esta infecção respiratória através da amamentação. Ora... Se a amamentação melhora o sistema imunitário e se o sistema imunitário combate as infecções, acharia uma dúvida legítima se a tivesse. Ainda por cima porque foi uma escolha consciente e não uma impossibilidade. Claaaro que a amamentação não dá superpoderes, claaaro que a amamentação não é a salvadora da pátria. Mas apesar de o leite materno não poder prevenir as negativas a Físico Química nem os desgostos amorosos, se há campo onde pode ser útil é na defesa imunitária. E, apesar de poder afirmar com todas as certezas que a Ana eventualmente ficaria doente independentemente da questão da amamentação, o que não pode é afirmar que neste caso concreto a amamentação não o teria prevenindo. Não há forma de saber se houve realmente uma relação o que torna a dúvida (e não a culpa, que nem foi mencionada) legítima. Mas pronto, a Polo Norte é a mãe, não tem a dúvida, a Ana está aí para as curvas e a vida continua. Ora, a vida continuava se se tivesse ficado pela resposta que deu à Mana mais velha nesse primeiro post. Aí sim, ter-me-ia convencido de que este é um assunto ultrapassado e de que está realmente com a cabeça bem resolvida. Mas a dimensão deste segundo post, a enumeração dos argumentos que a levaram a tomar a decisão, o achincalhamento colectivo tanto no blogue como no facebook, a deturpação do comentário em questão e a insistência em responder a todas as pessoas que ousam comentar com uma opinião contrária à sua levam-me a crer que este continua a ser um ponto sensível… E de afinal a dúvida existe.

Mamã de Peep-Toe disse...

Cyntia,desculpa,mas o leite em pó não faz exactamente a mesma coisa que o leite materno e isso é facilmente comprovável.Para mim,nem sequer tem comparação.Mas o que está aqui em discussão, é o direito à escolha.E independentemente do que um leite faz e o outro não, a escolha cabe à MÂE!!!Por isso há o livre arbítrio!E se a Ursa não pôs as mamas a uso,o problema é dela e ninguém tem de opinar.

Cynthia disse...

Mamã de Peep-Toe

Expressei-me mal. O que quis dizer foi o seguinte: muitissimo bem, o leite materno tem benefícios, sim senhor. No entanto, tendo em conta casos de pessoas q vamos conhecendo e do q até se vê aqui pelos comentários e eu, falando por experiência própria, não acredito q o leite materno seja A CURA para todos os males q podem acontecer ao bebé. Como já referi, eu mamei até um ano... e sempre tive otites, desde pequena, sou asmática, tenho inumeros problemas de saude, o meu sistema imunitario, enfim. Podem sinceramente dizer-me que o leite materno fez diferença aqui? Porque a mim parece-me que não. O meu filho aos 2 meses ainda mamava e teve uma bronquiolite. Não me parece, de facto, que tivesse feito diferença alguma, bem como em inumeros casos...

Cynthia disse...

E quanto à escolha da mãe, não podia concordar mais. A seita da amamentação faz parecer q as pessoas q não amamentam estão a negligenciar os filhos.

Pólo Norte disse...

Mana mais velha,

A Pólo não ficou extremamente perturbada com o seu comentário. A Pólo fica irritada com a hipótese de algumas mães permeáveis a este tipo de comentários provocatórios ficarem perturbadas por pessoas insensíveis e que querem à força provocar-lhes culpa não se coibirem de o fazer numa altura delicada como é o pós internamento de um filho.

Assume o tom provocatório e com isso demonstra uma enorme falta de empatia e de sensibilidade no seu acto e no timming do mesmo.

Optar por não amamentar sem saber se pretensas dificuldades se fariam de facto sentir não é egoísmo, lamento que assim pense. Eu não amamentei por essas e outras razões e todas essas razões são válidas para a minha escolha ou a de qualquer mãe em situações semelhantes. Cada um de si saberá.

Há quem queira dar leite materno a um filho a todo o custo e privilegie esse facto sob todas as coisas. Eu quis dar à minha filha uma mãe porreira, bem disposta e descansada, o que não se verificaria se eu optasse por amamentar (e sim, aqui garanto-lhe que sei do que falo). E agora, em que ficamos?

E se me dou ao trabalho de continuar aqui a responder também já não é por si nem por aquilo que defende de forma cega e sem ter em conta que cada caso é um caso, mas pelo número de leitores que lêem este blog, e à percentagem de mães que decide não amamentar e se fica genuinamente a sentir culpada após receberem comentários como o seu.

Rest my case.



Pólo Norte disse...

Inês M.

Leia a comentário anterior ao seu onde a mana do meio assume o tom claramente provocatório e não inocente do seu comentário.

Lamento desiludir (porque sim, me parece que ficam mesmo sentidas por eu não sentir culpa nem dúvida)mas nem sequer equacionei esta questão na minha cabeça aquando do internamento , nem tive dúvidas e muito menos senti culpa. Zero.

E se voltei ao tema foi porque o timming e o tom maldoso do comentário num post claramente de afecto e de amor incondicional me fez querer escrever sobre esta seita que existe e que teima em querer culpabilizar as mulheres que decidem não amamentar. Se voltei ao tema foi para dizer às mulheres que são mais sensíveis e permeáveis a estes comentários que esta não deve ser uma culpa que devam carregar, que a vida tem micróbios e doenças e que uma vez tomada a decisão há que seguir em frente sem estar sempre com "e se...".

A Ana está porreira, as minhas maminhas fabulosas e todos felizes cá em casa, obrigada!

Beijinhos

maria não vai com as outras disse...

Ora bem, deixem-me deitar mais uma axazinha na fogueira:
Tenho 3 filhos,a mais velha foi amamentada até aos 3 meses,apartir daí começou a beber leite de "lata" e a comer papinhas, o do meio durante um mês e..."leite de lata" por fim a mais nova apenas 1 semana e mais uma vez "leite de lata".
agora vem a confissão:
Eu detestei amamentar orque tinha a sensação que as minhas mamas iam ser arrancadas de mim a cada sugadela dos miudos, sim é verdade!!!
Perguntam vocês:
Se assim era porque insististe em dar de mamar aos três?
Porque era uma tapadinha e tinha uma mãe, uma sogra e 5 cunhadas a sarnarem-me o juizo... ah e tal é assim mesmo filha tens que fazer esse sacrifico,blá,blá,blá whiskas saquetas,e eu com vergonha de dizer que não gostava, que não me sentia confortavel, lá ía amamentando, e tambem porque tinha a esperança de que no próximo seria diferente...mas ...nunca foi!
Resumindo cada caso é um caso e penso que acima tudo queremos mães felizes e consequentemente crianças felizes.
Sim os meus filhos são saudáveis e de bem com a vida e já lá vão 22 anos desde a primeira.

Beijocas&abraçinhos






















































sem-se-ver disse...

subscrevo, por inteiro, o comentário da Inês M.

(detesto - odeio, melhor dito - 'o achincalhamento colectivo, tanto no blogue como no facebook', por quem o promove e por quem o apoia. e desgosta-me imenso que sejas tu a promovê-lo, neste caso. não te fica bem, pólo. e, sinceramente, não necessitas.

dito isto, i rest my case, também.

beijinhos. :)

Devaneios.de.mestra disse...

Eu não fui amamentada e nunca fui doente ou menos inteligente que os meus colegas. Portanto essa senhora que vá dormir ;)

Princesa sem Reino disse...

Tanta algazarra por um par de mamas... Cada um sabe das suas, credo!

Ana Magalhaes disse...

O meu namorado foi dispensado depois de sete anos e tal de trabalho, sem razao aparente que nao seja a crise... a culpa é da PÓLO NORTE nao ter amamentado a Ana!!!!!
Beijos

Claudia disse...

Sai uma ama de leite para a Ana? Podemos fazer uma vaquinha... Ehehe. Tenho sono, de certeza que foi porque não amamentas-te

babyandtoddler disse...

Estava para aqui a pensar se comentava, ou não esta grande discussão, no fundo essencial para o crescimento do país...e de facto, não estou a ser irónica! É mesmo essencial para ultrapassar a crise,falarmos toda(o)s um bocado sobre as mamãs da Ursa...é que como cidadã, mulher, Educadora e também como mãe de duas crianças (amamentadas com leite materno, embora isso de todo não venha ao caso), acredito, mesmo e a sério que este é o maior problema que temos de enfrentar neste país. Pessoas com uma incrivel dificuldade em ver, respeitar, ou no limite, tolerar o outro...o seu ponto de vista, a sua opinião, a sua liberdade de escolher, face às opções razoáveis que lhes são oferecidas, o caminho que querem seguir. Grave não é a Pólo não amamentar com leite materno, grave é a escolha consciente, séria e informada que tomou não ser respeitada e considerada. Grave é culpabilizarmos, desvalorizarmos e sermos condescendentes com os outros quando não concordamos com as escolhas deles. É claro que todos podemos discordar de tudo...tb isso se chama liberdade. O que não podemos, não devemos fazer é desconfiar do livre arbitrio, da razão do outro...
todos os dias me aplaudo por quando nasceu a minha primeira filha à quase 4 anos ter tido a enorme lucidez (que tem a Pólo Norte)para gritar, a quem não conseguiu ouvir quando falei delicamente que não queria visitas a mais na maternidada, que não queria palpites sobre a melhor posição para dormir, que ia amamentar enquanto isso fosse bom para mim e para ela, mas que ia amamentar sim senhor, pq achava melhor e não, não era uma santa desgraçadinha que o fazia meamo de mamilos em sangue... que ia dar-lhe as vacinas que entendesse, que ia fazer como eu e o pai, e como as pessoas em quem confiavamos achavamos que era melhor. E gostava que as minhas duas amigas que foram mães e deprimiram fortemente no pós-parto tivessem tido a mesma lucidez...sem seitas a fodem-les o juízo e a felicidade...
Bom trabalho ursa...desde( é pá não sei desde quando tens o blogue....) a aumentar a lucidez do povo...

ME disse...

Estou neste momento grávida do meu primeiro filho portanto li todos os comentários avidamente tentando perceber, sem preconceitos, as duas posições quanto à cena do amamentar.
Eu nunca fui amamentada e tou cá rija como um pero. O meu marido, foi por pouco tempo e tambem se recomenda. Tenho visto exemplos felizes em que tudo corre maravilhosamenete para a mãe e para o bebé mas tambem já assisti a casos em que a experiencia não foi positiva para as duas partes envolvidas.
Nao sei o que me vai acontecer quando lá chegar a hora: se vou querer, se vou poder, se vou sentir isso como uma obrigação ou como um desejo imenso. NÂO FAÇO IDEIA!
Mas gosto da ideia de que, independentemente das motivações, essa escolha será minha!!!

batatas com maionese disse...

O comentário foi infeliz, mas a resposta foi brilhante!!
Valeu a pena sim responder, nem que seja porque ficou um texto para emoldurar :D

Amélie disse...

Ui, a minha professora de Saúde Materna e Obstetrícia faz parte dessa seita! A mulher amamentava a filha de 2 anos, com a boca cheia de dentes! Me-do.

Sini disse...

Really?? Há gente mesmo muito parva! Parabéns pela brilhante resposta!

Dreams and Chocolate disse...

Força Pólo ! Viva a liberdade de expressão.

Adorei o post :D

Beijinho grande!

akombi disse...

Gostei bastante do post e na forma como te defendes, eu amamentei a mais velha até aos 3 anos, depois tive o período, não ovulava enquanto amamentei, e no mês a seguir engravidei da 2ª, pq queria outro filho, que amamentei tb até aos 3 anos, para mim foi uma fase natural e nunca para me sentir bem como mãe e nem para provar nada a ninguém, simplesmente natural e nada mais, nunca pensei nos benefícios nem malefícios, era um acto natural entre mim e elas e foi até elas quererem mas se calhar eu tb queria. Hoje a mais velha tem 13 e a mais nova 8, não tive o 3º pq perdi a gravidez se o tinha amamentado?! não sei, não faço planos, o que acontece é o que tem que acontecer.

Se vi benefícios na amamentação vi mas nada daqueles estereotipados, a mais velha foi mais saudável que a mais nova que foi apelidada de atópica numa urgência, sofre de ouvidos, eczema, mas tudo controlado com a mudança de idade, já a mais velha foi avaliada aos 6 anos por uma psicóloga pela escola por estar atrasada na fala, no relatório final " tem que a reeducar privou-a de contato com outras crianças qd optou por a ter consigo em casa", chocou-me vindo de uma psicóloga, se me afetou não, foi o melhor que fiz, se tenho que ser condenada não, quis saber o que é ser mãe a tempo inteiro que foi mto gratificante, se perdi, perdi o ser mulher, e agora vou-me condenar por isso? não, é seguir em frente que é isso que a vida me diz.

Não tens que te justificar, se te sentes bem, é pq tem que ser assim, e tem que ser respeitado como tem que ser quem opta e faz planos para amamentar.
Condenável é quem te comenta como esse comentário que referes no post.
As melhoras da tua menina.
Gostei do blog, vou voltar.

Dias Cães disse...

Nem precisas publicar este comentário porque, do que vejo, é apenas mais do mesmo.
Mas ando há muito tempo para dizer isto e decidi que podia ser agora.
A minha mão não me amamentou porque eu lhe mordia as mamas. Era um sofrimento para ela e eu acabava a deitar o leite todo para fora num tom roa. Deve ter sido um fase maravilhosa! Ela sempre falou disto com naturalidade e eu dou-lhe a razão toda. Dá de mamar quem quer e quando isso constitua um momento de prazer. Mas isto sou eu a dizer, aquela pessoa que não pode ter opinião porque nunca pariu nada.
Mas o que queria transmitir é que nunca me desenvolvi pior que os outros. Vendo bem, talvez até tenha sido o contrário. Sou uma mulher inteligente, independente, com bons principios e com vários predicados que me fazem acreditar piamente que a educação que a minha generosa mãe me deu suplantou todo e qualquer leite materno. Não tenho duvidas nenhumas disto. Se me disserem: mas és asmática e diabética e tens micoses nos dedos dos pés e herpes nos lábios... respondo sempre que herdei esses tesouros todos dos maus genes do meu pai. Não metam a opção da minha mãe nisto.
E podia passar aqui o dia a dar exemplos mas deixo só mais um: uma amiga minha optou por dar de mamar à filha até aos 2 anos. A miúda ainda hoje é uma flor de estufa e anda sempre doente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...